A amostra apresenta cor cinza clara, acamamento maciço. Os minerais pontuais que ocorrem disseminados na rocha se apresentam com coloração esbranquiçada, formato circular e/ou elipsóide foram definidos como feldspato e os minerais opacos como pirita.

A amostra representa a parte arenosa do Membro Siderópolis . A granulometria varia de areia fina a muito fina, segundo a classificação de Wentworth (1922, apud Folk, 1980); o arredondamento dos grãos é em geral subangular a subarredondado (Folk, 1980) e o grau de seleção de acordo com Petijonhn et al.1987 é moderada O contato entre os grãos é variado, sendo possível observar todos os tipos, predominando principalmente os contatos retos, suturados e côncavo-convexos. O principal cimento é formado pelo crescimento sintaxial do quartzo, calcita e pirita.

A análise quantitativa dos constituintes detríticos revelou que este arenito apresenta percentual de 80% de quartzo, 15% de feldspato e 5% de material lítico.

O quartzo é essencialmente monocristalino do tipo plutônico, apresenta extinção reta a fracamente ondulante. A ausência de cristais de quartzo policristalino, resultado da instabilidade mecânica destes grãos, durante o transporte e as inclusões no interior do mineral. O quartzo é o principal mineral detrítico. A precipitação da sílica é citada na literatura como um importante evento mesodiagenético e redutor da porosidade (Morad et al, 2000).

O feldspato potássico (ortoclásio), se apresenta com um percentual médio de 15%. Os feldspatos detríticos ocorrem parcialmente dissolvidos e freqüentemente foram substituídos por anidrita de fases diagenéticas posteriores.

O percentual de fragmentos líticos é de 5%, constituído por clasto lamoso (argila), se verificou a ausência de clasto metamórfico e ígneo, isto, se deve provavelmente ao intenso retrabalhamento dos grãos e/ou a intensa diagênese sofrida pelos mesmos. Pseudomatriz (5%) é formada pela deformação de clastos argilosos e micas.

Os minerais acessórios destacam-se lamelas de muscovita e o zircão.

O percentual de pirita na rocha é de 3%, com ampla distribuição na rocha. Os cristais de pirita se apresentam na forma euédrica e monominerálica e ocupa os espaços intergranulares.

Através do microscópio de luz refletida se verifica que a pirita ocorre como agregados de pequenos minerais com hábito “framboidal” e se distribuem nos espaços intragranulares e integranulares

A anidrita em termos diagenético apresenta o mesmo percentual da pirita, contudo, não se apresenta com distribuição uniforme na lâmina delgada. Os minerais se apresentam na forma de romboedro ou anédrico, e formam mosaicos que preenchem os espaços vazios intergranulares e em alguns pontos se verificou que substitui os constituintes líticos do arcabouço, como o feldspato e intraclastos lamosos. As substituições nos feldspatos ocorrem ao longo do plano de clivagem, nas fraturas dos grãos e nas bordas por corrosão.

A calcita em termos de percentual é segundo constituinte diagenético. A distribuição é ampla e ocorre preenchendo os poros intergranulares, se apresenta com hábito microcristalino e poiquilotópico, também, ocorre substituindo parcialmente os materiais líticos, quartzo dedrítico, feldspato e a caulinita.

A cimentação por sílica nesta amostra ocorre na forma de crescimento sintaxial. O crescimento sintaxial (ou secundário) foi evidenciado pelas inclusões de argilas e óxidos ao redor do grão detrítico e pelos grãos de quartzo com faces cristalinas perfeitas. Outra forma que evidenciamos o crescimento sintaxial do quartzo foi a presença de finas cutículas ao redor do grão detrítico do quartzo.

A Formação Rio Bonito ao longo de sua história geológica foi submetida a processo compactação,exercida pela pressão da coluna estratigráfica que compõe a Bacia Intracratônica do Paraná.

Os principais processos de compactação observados na lâmina petrográfica e responsáveis pela perda da porosidade do pacote foram:deformação de grãos dúcteis, deformação de grãos flexíveis e a dissolução química.

A análise da amostra através da lâmina delgada se verifica que a compactação química prevalece sob a compactação mecânica, pois, não se observa modificações em excesso nos aspectos físicos nos minerais, tais como, a deformação ou quebra de grãos individuais.

Para determinar a perda da porosidade foi utilizado o método de Houseknecht (1987)

O resultado analítico obtido mostra que esta unidade litológica nas condições que se encontra a petro fabrica evidência que a capacidade de armazenar e permitir o fluxo de líquidos no seu interior é insignificante, esta situação é em função dos seguintes fatores “A diminuição da porosidade por compactação mecânica e dissolução por pressão intergranular é significativa. Além destes fatores observa-se a importância da cimentação da calcita e da sílica no fechamento dos interstícios. A cimentação através da sílica como no caso anterior produz a perda da porosidade em caráter irreversível, uma vez, que a sílica precipitada, como cimento sintaxial em torno dos grãos de quartzo é mais estável e pouco susceptível a dissolução posterior”.